Fátima Alves-Alma sensível e Poetisa da Caatinga

Poesias e prosas(sentimentos à flor da pele)

Textos

            No tempo  em que os bichos falavam...muitas coisas incríveis aconteciam e o mundo natural onde eles viviam , seguia o equilíbrio  próprio da cadeia animal. Mas houve uma era em que os bichos humanos apareceram naquele habitat. E sua presença mudou para sempre a vida desse mundo selvagem e equilibrado.
 
          Certa vez, em uma primavera, os animais ( chamados de bichos brutos pelos humanos)  estavam bem alegres  e combinaram  em fazer uma grande festa para comemorar a chegada da estação das flores. Então, eles queriam fazer uma festa onde todos os animais pudessem comparecer, e ficar em harmonia, sem que houvesse as perseguições naturais da cadeia alimentar. O lugar escolhido para fazer a  reunião foi na praia  que ficava perto da floresta  e ao entardecer, não teria sol forte e  comportaria bem todos os animais convidados  De cada espécie animal  foi chamado um  representante. E todos concordaram,  em se unirem  para fazerem essa festa , bem como o lugar. E daí, em diante,  repeti-la todo ano. Tudo ficou  assim, acordado entre os presentes.
 
E  começaram a organização da festa. E foi  aquela correria pois, cada um dos presentes ficou responsável  por  uma ação. E a primeira coisa que se precisava fazer era avisar a todos os grupos de diferentes  animais , da floresta , dos rios e do mar que ficava ali pertinho e com suas águas, banhava a praia e ventilava com brisa suave a floresta.
 
         Então lá se foram  todos eles para avisar sobre a grande festa  que resolveram fazer para a primavera. Cada animal avisava a sua espécie. A pulga avisou a todos os insetos. O elefante  informou a todos  os animais de grande porte. O pombo a todas as aves. O camaleão a todos os repteis...  A gaivota a todas aves que vivem sobrevoando o mar e morando nos rochedos da praia. A baleia a todos os moradores  das  águas profundas  do mar. E assim, sucessivamente.

         Mas os animais, não incluíram  como convidados, os bichos humanos. E até os esqueceram, porque estes tais bichos humanos, estavam longe deles... E se caso chegassem perto deles, era apenas para explorá-los, levar para cativeiros e pior ainda, para matá-los e comê-los. Por isso, ninguém nem sequer, lembrou-se desses tais humanos, que agora existiam...
             Passaram - se  alguns dias... E  chegou o grande dia! Tudo foi organizado como tinha sido combinado.  O lugar escolhido na praia  estava lindo. Havia , flores , conchas, sementes, frutos, água doce, tudo de bom da floresta. Cada grupo de animal, trouxe um pouco da sua comida e flores  do seu habitat para a festa. Tudo ficou belo! Flores! Tinha de todas as cores! E com elas, desenharam até mesmo um arco íris, com flores de sete cores.
 
E começou a festa, todos cantavam e dançavam do seu jeito. Os animais do mar, faziam piruetas e mandavam suas águas dançarem com saias rendadas e deixarem plantas aquáticas. Já  os animais e do rio que ali estavam na foz,  e os  da floresta que estavam na praia perto da foz, lhes jogavam flores e petiscos de frutas. Nesse dia não havia carnes, só flores frutos e ramos verdes, e plantas do mar e do rio.
 
           Enquanto todos os animais, comiam e bebiam felizes... Veja só quem  resolveu aparecer? Os verdadeiros  bichos devoradores de vidas! Os bichos homens! Que ao saberem dessa festa, ficaram  furiosos! E  por não terem sido convidados, pois não podiam ficar fora de uma festa,  da qual eles tirariam muito proveito.  Resolveram ir acabar  a  alegria dos animais.  E para se foram...

             Mas, ainda bem, que eles chegaram já quase no final da festa. E houve tempo para muita alegria! Pois, logo que chegaram, acabaram com a alegria da festa. Todos os animais fugiram as pressas. E a festança! Não teve o final esperado. Mas valeu a pena, esse momento de confraternização da natureza. Daí pra frente, quando chega a primavera, cada espécie faz sua festa de forma disfarçada, e em lugares diferentes,  para se  se livrar da presença do “bicho homem”. Uma tristeza  reflexiva para quem ama a natureza...

Fátima Alves/ Poetisa da Caatinga

Natal/ 1994

 Para minha filha Ana Sara
Maria de Fátima Alves de Carvalho
Enviado por Maria de Fátima Alves de Carvalho em 08/11/2012
Copyright © 2012. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras