Fátima Alves-Alma sensível e Poetisa da Caatinga

Poesias e prosas(sentimentos à flor da pele)

Textos

Sonhos repetidos - Sonhando com águas
          Águas cristalinas e rasas – Águas profundas e assustadoras

         Em sonho, estou no meu interior, mas aquele mundo sofrido e seco, não existe mais. Por onde ando, encontro água, muita água...águas cristalinas formando cenários alegres e cheios de vida. Nestes momentos, sinto uma profunda alegria e tenho o desejo de por lá ficar e viver, o que nunca pude desfrutar, enquanto estava ali.
          Essa paisagem com a água, não me aparece no mesmo lugar, eu a encontro por onde vou, no sitio dos meus tios e de colegas, nos caminhos da escola e também em um recanto inóspito, onde morava minha irmã Maria, a mais velha, que faleceu de parto, aos 28 anos de idade.  Perto da casa dela, é onde  encontro as águas mais cristalinas e rasas. Aí, pela transparência dessas águas, vejo a areia,  as pedras, enfim, todo o chão do lago. Há também, muitas árvores pequenas, ainda em fase de crescimento e estão sobre pequenas porções de terras descoberta, quase que dentro da água, mas algumas estão dentro dessa água. Ando neste lago raso, que parece-me ser alimentado pelo rio, pois vejo, as suas águas em movimentos leves, como se fossem passando... Tudo é lindo! E estou feliz com minha família. Sinto profundamente no ar, o frescor daquele lugar e me delicio me molhando naquelas águas,como se estivesse em tempos de inverno, pois o inverno de lá, nos traz o verde, as águas, os peixes, os pássaros, a fartura,ameniza o calor e o sol continua imponente a brilhar. É um breve tempo de felicidade pra todos os habitantes da região, ainda que, vivenciando outras dificuldades.
           Em outros momentos, sonho com essa água, mas de uma forma extremamente desagradável, ela me assusta, pois aparece como impecilho em meu caminho, são águas bem limpas, mas muito fundas, as quais, estão de um lado e do outro da estrada, e tenho medo, porque além de  não ver o fundo do lago, também não vejo o seu final e preciso  caminhar numa estrada estreita, parecendo que vai desabar ou ficar submersa. Sinto-me angustiada, nessa paisagem, que apesar da água, nada tem a ver com o dinamismo das águas que a gente desejava. Essas são águas que dificultam, que separam e que afogam. Assim,  me sentido insegura e com muito medo, em meio a minha angústia, peço a Deus pra me ajudar, aí fecho os olhos e me sinto andando leve por cima dessas águas. E nesse momento... graças a Deus acordo.

  Águas que me aparecem em sonhos repetidos
        
                     Carvalho/13.12.08

  
Maria de Fátima Alves de Carvalho
Enviado por Maria de Fátima Alves de Carvalho em 13/12/2008
Copyright © 2008. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras